quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

Espaço 1904: O futebol visto por quem sabe

O futebol é muito mais paixão do que razão. O nosso clubismo impede-nos muitas vezes de pensar objectivamente sobre determinadas questões. Que o diga Miguel Sousa Tavares. O comentador que me habituei a ler religiosamente no Expresso quando fala de futebol revela fragilidade na argumentação e alguma incoerência. A sua crónica publicada ontem em A Bola foi provavelmente escrita antes da derrota do Benfica em Guimarães. Digo isto porque na sua página semanal fica evidente uma tentativa de questionar todo o percurso feito pelo Benfica esta época e de desacreditar um campeonato, julgava ele, já entregue ao Benfica.

Antes de entrar em teorias da conspiração, MST começa por desmistificar uma possível boa campanha na Liga dos Campeões por parte dos encarnados. No seu ponto de vista, o FC Porto não passou do grupo da liga milionária por culpa própria mas porque teve também falta de sorte, o Benfica, pelo contrário,“apanhou o grupo mais fácil”. Talvez não tenhamos ficado no chamado grupo da morte mas considerar “o mais fácil” com Manchester United e Basileia quando havia noutro grupo Zenit e Apoel parece-me arriscado. Mas a sorte do Benfica não ficou pela fase de grupos. Os deuses do futebol estão de tal forma ao lado dos encarnados que lhe permitiram perder pela margem mínima em São Pertersbugo devido às “substanciais alterações” em virtude das lesões na equipa russa. Do onze que venceu os portistas por 3-1 para o da passada quarta-feira sairam 3 jogadores e, de facto, Malafeev foi mal substituído por “um guarda-redes que pura e simplesmente ofereceu dois golos aos encarnados”, mas o mesmo não se pode dizer de Criscito. Duvido da capacidade do italiano para dar uma marrada daquelas ao Rodrigo, que por acaso MST se esqueceu de mencionar, mas o espanhol não fez falta nenhuma ao Benfica com certeza, tal como Javi Garcia.

Depois de explicada a diferença de sortes entre Benfica e FC Porto na Liga dos Campeões, Miguel Sousa Tavares demonstra quem realmente manda no futebol português. Segundo o comentador, o mais irritante nos benfiquistas é o facto de “mesmo quando merecem, nem assim se dispensem de tornar as vitórias garantidas por jogadas fora do campo”, e um exemplo cabal e inequívoco desse tipo de jogadas é “enviar o Bruno Paixão cirurgicamente para arbitrar o porto uma vez por ano, ao menos”. No fundo eu até consigo perceber o sentimento dos portistas em relação ao Bruno Paixão, sinto o mesmo em relação a vários outros árbitros e até tinha razões para pensar na possibilidade de eles serem enviados pelo FC Porto, mas como não conheço os meandros do futebol tão bem como MST não em atrevo a afirma-lo.

Outra demonstração do poder do Benfica nos bastidores tem a ver com o agendamento dos jogos. O Benfica “teve cinco dias de intervalo para preparar o jogo de Guimarães, enquanto o Porto teve menos de 72 horas de descanso do jogo europeu para disputar o de Setúbal”, estranha Sousa Tavares. Ora, sabendo nós que tem de haver um jogo à segunda-feira, normalmente reservado às equipas envolvidas nas competições europeias na semana antecedente, as únicas hipóteses seriam Benfica, FC Porto, Sporting e Sp. Braga. De todas estas, caro MST, adivinhe lá qual é a única a não jogar esta semana nas provas da UEFA! Tratando-se de um cidadão tão atento as estas questões, estranho que na época passada, com FC Porto e Sporting a disputarem a fase de grupos da Liga Europa à quinta-feira, não tenha escrito uma linha em solidariedade com Paulo Sérgio, então treinador dos leões, quando este se queixava de jogar constantemente ao domingo enquanto o FC Porto jogava à segunda-feira.

Mas para deixar bem clara a autoridade do Benfica nesta questão há outra “golpada” a denunciar. “Para o célebre Benfica-Porto, estranhamente marcado para dia 2 de Março, prepara-se um escândalo de todo o tamanho” porque dois ou três dias antes há os jogos das selecções nos quais “há muito mais jogadores do Porto envolvidos do que do Benfica”. Olhando para os onzes tipo das duas equipas e para as últimas convocatórias, no Benfica há Maxi Pereira, Luisão, Garay, Witel e Gaitan como certos, do lado do FC Porto há Rolando, Moutinho, Varela, Hulk e Janko. Se estendermos a análise aos suplentes ou jogadores com possibilidades de representar as respectivas selecções, aí o Porto terá uma ligeira desvantagem com Sapunaru, James, Defour, C.Rodriguez, Alex Sandro ou até Kleber, enquanto no Benfica apenas Eduardo, Nelson Oliveira (pelos sub-21) e Bruno César, para além dos já mencionados, poderão sofrer algum desgaste nas selecções. Cardozo e Álvaro Pereira estão oficialmente dispensados. Sinceramente não vejo onde está a tal golpada nem me parece haver nenhum escândalo de todo o tamanho. Parece-me, isso sim, que MST já está a preparar terreno para possíveis insucessos.

“Os jogos contra os clubes amigos, marcados para a data que mais lhes convém, como o de ontem [segunda-feira] em Guimarães” permite aos encarnados recuperar os jogadores e tirar o proveito que se viu, mas quando se trata de jogar contra clubes rivais já é a liga a preparar a golpada. Ou seja, para Miguel Sousa Tavares, o Benfica, de uma forma ou de outra, consegue sempre fazer valer os seus interesses e questiona-se se “não haverá alguém no Benfica que goste de ganhar de outra maneira”. Perante tão flagrantes argumentos eu pergunto-me se apenas 2 pontos de vantagem é só para disfarçar. Não seria mais proveitoso usar todo esse poder e ganhar uma vantagem pontual confortável de forma a poupar alguns jogadores para jogar noutras competições onde os encarnados não são tão influentes? Até nisso a estrutura benfiquista tem muito a aprender com outras.

3 comentários:

RS disse...

Até vinha com ideias de ler isto tudo, mas quando percebi que era sempre a falar do que disse um burro, leia-se MST, desisti.

Ainda pensa este nabo que um dia vai ser presidente do FC Porto.

Anónimo disse...

Este sousa tavares é um abrunho!

Vitinha disse...

Este gajo nem podia ser de outro clube. Defende sp a teoria da conspiração, que tá sp tudo contra o Portoe que tá tudo feito para o Benfica ganahr as coisas, mas a verdade é que nos últimos 20 anos os maiores beneficiados são sempre os mesmos .Os gajos do Sporting acham que ao fazerem o papel de kalimeros tb conseguem o mesmo, o problema é que não têm nada. Não têm equipa, dirigentes, nem dinheiro para pagar viagens e pequenos almoços tardios aos srs do apito.
gostei da crónica e acho bem que se chame a atenção para o que estas pessoas, supostamente com alguma credibilidade e responsabilidades, são capazes de dizer e de influenciar mal os outros.