quinta-feira, 3 de março de 2011

ENTREVISTA - André Portulez vive nova aventura na Hungria

A REVISTA FUTEBOLISTA fez-se de novo à estrada para seguir as pisadas de mais um jovem português nos caminhos do futebol além fronteiras. Hoje “viajamos” até à Hungria para falar com André Portulez, um médio de 24 anos que desde Janeiro último representa o Kaposvar Rákoczi, emblema da principal liga magiar.
Com passagens pelos escalões de formação de clubes como a Naval 1º de Maio, Boavista e Académica de Coimbra, Portulez está assim de regresso a um país onde viveu a sua primeira experiência internacional, sendo que esta nova aventura, por assim dizer, se apresenta como um desafio de maior dimensão. E André diz-se preparado para fazer história...


Revista Futebolista (RF): Regressou nesta reabertura de mercado à Hungria, um país que conhece bem na qualidade de futebolista. Que razões estiveram na origem deste regresso, e já agora quais as expectativas para esta nova aventura?
André Portulez (AP): As razões que me levaram a regressar não tiveram absolutamente nada a ver com o facto de já ter aqui jogado em 2007. Trata-se somente de uma oferta que me foi feita e que mediante a situação actual em que me encontrava pareceu-me ser adequado vir para aqui. Foi da Hungria como poderia ter sido de outro país, mas um factor que pesou muito foi o facto de o clube estar neste momento a lutar por um lugar que dê acesso às comeptições europeias na próxima época. O Rákoczi é um clube que normalmente faz um campeonato tranquilo, mas esta temporada tem possibilidade de fazer história, logo, quero ficar ligado a este feito; penso assim já ter abordado a questão das minhas expectativas para esta metade da época que ainda falta cumprir.

RF: O que conhece deste seu novo clube?
AP: Hoje em dia com a internet é possível ter acesso a muita informação, por isso informei-me bem antes de vir, não foi um tiro no escuro. No entanto já aqui no terreno constatei que estou num clube de gente simpática e com potencial para nos próximos anos fazer o que já está a fazer actualmente, ou seja, lutar por objectivos mais ambiciosos do que aqueles a que se propunha até aqui.

RF: Como já foi referido esta não é a sua primeira incursão no futebol húngaro. Em 2006/07 representou o Integral DAC, na altura na 2ª divisão. Fale-nos um pouco dessa experiência anterior?
AP: As circunstâncias em que me encontrei na Hungria em 2006/07 foram complemente diferentes das de hoje. Na altura vim ao abrigo do programa ERASMUS e conciliei os estudos com o futebol. Hoje não! Encontro-me num clube totalmente profissional e como tal com uma organização diferente da de há 4 anos. As responsabilidades são obviamente maiores também. Noto também uma certa evolução do futebol neste país, até ao nível económico, sendo já capaz de atrair jogadores estrangeiros de campeonatos com um nível superior a este. A participação do Debrecen na fase de grupos da Champions da época passada é um sinal dessa evolução, assim como a emigração de muitos jogadores magiares para campeonatos como o espanhol, o alemão e o italiano, entre outros. A matéria prima existe e estão a ser criadas infra-estruturas que permitem projectar um futuro mais risonho para o futuro futebolístico do país, desde que sejam devidamente potenciadas. A mentalidade que ainda existe é que pode não se coadunar com esse possível desenvolvimento, mas é preciso esperar para ver...

RF: No início da actual temporada conheceu uma nova realidade futebolística a nível internacional: Malta. No entanto poucas vezes actuou pelo Sliema, acabando por regressar à Hungria. O que correu mal em Malta?
AP: Em Malta assinei um contrato de risco, cujo términus estava directamente relacionado com a nossa qualificação ou não para a fase de grupos da Liga Europa. Disputámos a EuroCup, que é uma competição interna entre as 3 equipas maltesas que se qualificam para as competições europeias, competição esta que vencemos sem espinhas. Depois de um bom resultado no jogo da primeira mão (da Liga Europa) na Croácia contra o Sibenik acabámos por ser eliminados em casa e acabou a aventura, estando a equipa a fazer uma época decepcionante desde aí... No entanto guardo as melhores recordações da ilha, não só por me ter proporcionado a minha estreia europeia, mas também pelo estilo de vida que impera, assim como a fantástica amabilidade do povo maltês. É uma porta que ficou bem aberta para mim e um país onde gostaria de voltar a jogar.

RF: Em Portugal – na qualidade de sénior – passou maioritariamente por clubes da 3ª Divisão Nacional, mais concretamente pelo Marialvas, Tocha, Valonguense e Odivelas. Contudo teve uma passagem pela Académica (no escalão de júniores), onde fez jus à tradição de jogador/estudante. Que recordações guarda da estadia em Coimbra?
AP: As melhores recordações! Acho que é um período muito bonito na vida de todos aqueles que têm o privilégio de poderem frequentar o ensino superior. Para tornar essa fase mais especial fui júnior na Académica e obviamente que quem passa por aquela Instituição nunca lhe poderá ficar indiferente. Foi uma etapa que já passou e que fica guardada no álbum dos momentos positivos da minha vida.

RF: A conjugação entre futebol e estudos nem sempre é perfeita, mas no seu caso acabou por sê-lo já que conseguiu terminar a licenciatura (em Educação Física). Quer falar um pouco da experiência enquanto jogador/estudante?
AP: Este aspecto sempre foi muito importante, do meu ponto de vista. E hoje em dia com o cenário de crise que se nos depara há que atentar num aspecto: tem de ser combatida nos jovens a ideia de que não vale a pena estudar porque mesmo estudando não vão conseguir encontrar um emprego. Esta perspectiva da situação está completamente errada! A formação académica continua a ser muito importante senão corremos o risco de daqui a uns anos termos um país que não evoluí porque não há evolução/descoberta se não tivermos o princípio de estudarmos/investigarmos a fundo. O príncipio do facilitismo nunca me acompanhou... eu também poderia não ter estudado e ter passado mais horas no shopping com os meus amigos, mas achei que o meu tempo livre era ocupado com o horário dos treinos, porque para mim treinar sempre foi um prazer, logo, consegui conciliar futebol e escola. Quero com isto dizer que não foi nada de dramático esta conciliação, acima de tudo penso que depende da força de vontade de cada um...

RF: Está de regresso a um país onde foi feliz num passado não muito distante, mas... o que tem faltado para ser feliz no seu próprio país, em termos futebolísticos, claro está?
AP: Se soubesse a resposta a esta pergunta certamente ja teria corrigido algum erro que estivesse a travar a minha evolução em termos de carreira em Portugal. O que referiu na pergunta é obviamente um facto que não consigo refutar, no entanto continuo a ter como um dos meus objectivos jogar ao mais alto nível em Portugal. Não vou estar a referir que sejam problemas relacionados com as políticas erradas ao nível da tomada de decisão dos clubes na hora de contratarem, ou eventuais jogadas de bastidores, porque contra isso nada posso fazer. O que posso fazer é dar sempre o melhor de mim e ficar sempre de consciência tranquila na medida em que dei o máximo tendo em vista a obtenção dos meus objectivos pessoais.

4 comentários:

Costa75 disse...

Deve ser o único português na Hungria não?? força André

mister_duarte11 disse...

ja tive opurtunidade de jogar com este rapaz e e muito evoluido tecnicamente força andre espalha o teu perfume pelos relvados magiares abraço amogo

Dário gomes disse...

Força aí André, para voltares a Portugal em grande

Vasco disse...

Gostei da parte e que ele diz que a 1ª vez que lá teve na Hungria foi ao abrigo do programa Erasmus. É só estudar nestes cursos...